sábado, 22 de agosto de 2015

A revolução totalitária nas escolas e a corrupção da infância

Como o ensino esquerdista está roubando os filhos dos brasileiros
By Adilson J da Silva

Estão roubando os filhos dos brasileiros. Aos milhares. À luz do dia, com o auxílio de professores zumbis e de um pseudo ensino, o governo esquerdista brasileiro está corrompendo as belas almas infantis.
Há tempo diversos intelectuais e grupos organizados como o
ESP vêm denunciando as várias frentes por quais esquerdistas entrincheirados nas escolas vêm cumprindo a agenda revolucionária cultural. Hoje decidi, como já fiz, dá mais uma contribuição.
Uma coisa é certa: o que está por traz de um governo esquerdista, ao impor a perversão dos costumes sobre o povo é uma: aplicar as chamadas técnicas da solução agravante, cujo fim último é exatamente o contrário daquilo a que se propõe. Aliás, a solução agravante já foi bem esclarecida pro Thomas Sowell e vastamente articulada pelo filósofo Olavo de Carvalho.
Quero aqui denunciar a ousadia dessa imoralidade disfarçada de ensino de ciências através de um de seus instrumentos, os chamados livros do PNLD 2014. E o livro para o qual dedico o presente texto é o terceiro volume da coleção Vontade de Aprender Ciências, editora FTD, dos autores Leandro Godoy e Marcela Ogo. Considero-os autênticos serviçais do totalitarismo cultural esquerdista e dos globalistas.

imagem A
Destaco o capitulo 16, pp. 260-279, do volume 3 (8º ano, destinado à crianças entre 12 e 13 anos) onde é abordado a reprodução humana, em especial os métodos anticonceptivos.
Observe as imagens abaixo extraídas de um exemplar para professores:
imagem B


imagem C
imagem D
Caro leitor, observou como os autores de forma prepotente e autoritária, esvaziam de seu texto a autoridade dos pais sobre seus filhos?
Na imagem 'C', os autores se dirigem ao seu público (crianças) e afirma: "Sob orientação médica, as pílulas podem ser usadas por mulheres de qualquer idade.

Observe como, de forma velada, o livro considera suas leitoras (meninas entre 12 e 13 anos) mulheres plenas, aptas ao uso de anticoncepcionais, já que o fragmento se vale da expressão "de qualquer idade". Observe também, que em nenhum trecho da imagem a autoridade dos pais é citada. Aliás, em todo o capítulo aqui destacado, a autoridade dos pais não é considerada!
Cheio de indignação, dirijo aos leitores as seguintes perguntas:Está o público a que este volume é destinado (crianças entre 12 e 13 anos) na idade certa para receber tamanha carga de informação?
Com que autoridade esses autores e o governo que compra seus livros com nosso dinheiro impor tal conteúdo sobre nossos filhos? Tal "ensino" é uma necessidade real e prática na vida de crianças entre 12 e 13 anos, cuja dinâmica infantil é absolutamente vocacionada às brincadeiras e aos sentimentos fraternais para com sua família?

Indignado encerro a presente postagem. Desejo que o leitor tenha a mesma conclusão que eu, qual seja: que o atual modelo de ensino imposto pelo estado brasileiro, alimenta apenas dois fins: (1) o agravamento dos problemas a que seu ensino se propõe combater e (2) o esvaziamento da autoridade dos pais sobre os filhos. 

3 comentários:

Eduardo Silva disse...

Parabéns pelo artigo (denúncia), caro Adilson.
Já passou da hora de todas as pessoas de bem 'tomarem partido', manifestar seu total repúdio e combater, sem descanso, esse avanço esquerdista que pretende sodomizar nossas crianças no momento mesmo que desconstrói a família tradicional.

FireHead disse...

O mais engraçado é que, e não querendo aprofundar este assunto sobre a educação sexual, hoje em dia continua a haver muitos problemas relacionados com a sexualidade entre os jovens, com muitos comportamentos de risco e mesmo ignorância atroz. Quer isso dizer que mesmo esta estratégia falhou ou simplesmente não serve? Ou será que são os jovens que se baldam às aulas e não aprendem nada?

Adilson disse...

Boa observação, nobre FireHead. Aliás, o filósofo Olavo de Carvalho chama isso de "técnica da solução agravante", cujo objetivo é justamente aprofundar a revolução cultural trazendo a perversão moral que fim acabaram por produzir gerações e mais gerações desregradas: a atual depravação sexual é fruto disso. Enfim: o que querem mesmo é afastar toda e qualquer influência da moral católica da sociedade. Infelizmente, isso só foi possível com a ajuda das políticas públicas de sexualização das populações, ou seja, os sabichões da revolução cultural tiveram e tem como instrumentos de ação um exército de políticos e professores que lhes serviram de idiotas úteis para disseminar o veneno da imoralidade. Nossos inimigos fazem uso do Estado para destruir a sociedade. Não é à-toa que esses livros sempre se referem ao Governo, à ONU e à OMC como autoridades inquestionáveis. Pra completar, milhares de famílias desligadas do que acontece nas escolas acabaram por contribuir com tudo isso. Talvez você desconheça, mas a editora do livro acima é de propriedade de um grupo educacional católico denominado Marista (http://www.ftd.com.br/a-ftd/grupo-marista/)