quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Os livros do PNLD estão matando a inteligência das crianças,


Doutrinando nossas crianças em favor do Governo e dos monstros soviéticos
By Adilson J da Silva

Trago ao leitor algumas notinhas, extraídas do livro de geografia 9º ano, da coleção Vontade de Saber Geografia. Na minha opinião esse título deveria ser substituído por "Vontade de Ser Doutrinado em Geografia".
Em todos os volumes dessa coleção há diversos absurdos de doutrinação esquerdista, entre os quais a ausência de informações que se opõem ao que o próprio livro pretende fazer, ou seja, ausência de um ensino sério. Ocultação da verdade e de acontecimentos históricos importantes sobre o socialismo soviético e a defesa do autoritarismo ambientalista são algumas das maldades presentes nesse material do PNLD.
Quero apenas destacar como o livro impõe sua "pesquisa" sobre o socialismo na ex-URSS presente no 4º volume da coleção (9º ano); observe a imagem abaixo:

Vontade de Saber Geografia, 9º ano, pág. 49.
No primeiro parágrafo o livro afirma de forma absurda que a ex-URSS se tornou uma super "potência econômica"! Nem uma estatística que prove a elevação da qualidade de vida dos russos e nem mesmo uma comparação da renda deles com a da população nos países de economia socialista. Nada!  Observe que a expressão "regime totalitário soviético" não aparece no texto mostrado na foto acima (também não aparece no restante do tópico). Não bastasse tamanha canalhice, observe o que é afirmado no início do segundo parágrafo:
"Embora o regime socialista tenha comandado autoritariamente a vida dos cidadãos, essa população obteve melhorias significas em seu padrão de vida..." 

Percebeu, leitor, como a autora impõe que o autoritarismo sanguinário (que é ocultado das crianças) soviético era irrelevante à vida daquele russo, pois a vida deles era de "qualidade". 

E no final desse mesmo parágrafo afirma-se: "Embora houvesse desigualdades econômicas nos países socialistas, estas eram pequenas se comparadas às dos países capitalistas."

Observe que a autora se sente motivada (sem apresentar qualquer documentação) a afirmar que a vida sob o regime opressor soviético 'garantia mais igualdade' que em qualquer país de economia capitalista. Todavia, ela não se sente igualmente responsável em apresentar aos leitores os terríveis crimes praticados pela poderosa máquina repressiva russa por meio de sua KGB, as terríveis perseguições e prisões políticas, o genocídio da população da Ucrânia na década de 1930, o controle de toda e qualquer informação, a perseguição religiosa contra os cristãos, os campos de concentração na Sibéria, etc. Nada disso é trazido aos estudantes. Pergunta-se: o que a autora em conluio com o Governo pretende com tamanha agressão à inteligência das crianças?

Quem determina o que deve ser ensinado e como deve ser ensinado em nossas escolas? O Governo. Como ele faz isso? Por meio dos livros perversos do PNLD. De quais extensões (as mãos que estendem) o Governo se utiliza para que os conteúdos dos livros do PNLD cheguem até os estudantes? Professores transformados pelo modelo de ensino imposto pelo Governo, mas inconscientes de que foram alienados e se tornaram agentes autoritarismo estatal. Mas como esses professores são transformados nesse modelo sem perceberem, isto é, inconscientes da própria alienação? Por meio do mesmo modelo que agora aplicam sobre seus alunos: eles também já foram alunos desse modelo corrompido e chegaram às universidades onde receberam a etapa final da doutrinação esquerdista, uma vez que os professores estatais de nossas universidades são intelectuais forjados para esse fim. São especialmente as universidades de humanas os campos de cultura para o qual nosso governo esquerdista investe tempo e dedicação: as militâncias radicais são cultivadas aí.

4 comentários:

Eduardo Silva disse...

Meu nobre, o jeito é fazer o trabalho de formiguinha: Ensinar primeiro nossos filhos. Depois nossos amigos e, por último, tantos quantos tiverem o interesse.

Seu blog, sem dúvidas, tem esta proposta.

Paz e bem!

Pedro Erik disse...

A autora deve morar Cuba. O paraíso para ela.

Lá é tudo igual, não tem desigualdade, é todo mundo pobre mesmo. Com exceção da família dos castros.

Continue a luta em favor do verdadeiro ensino, meu amigo.
Abraço,
Pedro Erik

Adilson disse...

Boa noite, meu nobre Pedro.

Obrigado por suas palavras de ânimo. Mas é triste ver a zumbilândia no que o sistema de ensino brasileiro (comandado pelos serviçais desse governo petista) foi transformado.

Grato

Adilson disse...

Meu nobre Eduardo vocÇe disse muito bem: "fazer o trabalho de formiguinha". Creio que que chegou a hora da reconstrução de nossa cultura. O primeiro passo é mostrar para onde os falsos professores estão conduzindo nossa sociedade.

Abraços.