domingo, 5 de abril de 2015

Feliz Páscoa: Jesus ressucitou!

 Enfim, Jesus, a vida, vence a morte!

 5 de abril, Domingo da Ressurreição do Senhor.


Hoje é Domingo, dia da Ressurreição do Senhor! O túmulo está vazio, pois Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou!

Leiamos o Evangelho de São João 20: 1-17.


1. No primeiro dia que se seguia ao sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro.


2. Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram!


3. Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro.


4. Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro.


5. Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou.

6. Chegou Simão Pedro que o seguia, entrou no sepulcro e viu os panos postos no chão.


7. Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte.


8. Então entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.


9. Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.


10. Os discípulos, então, voltaram para as suas casas.


11. Entretanto, Maria se conservava do lado de fora perto do sepulcro e chorava. Chorando, inclinou-se para olhar dentro do sepulcro.


12. Viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.


13. Eles lhe perguntaram: Mulher, por que choras? Ela respondeu: Porque levaram o meu Senhor, e não sei onde o puseram.


14. Ditas estas palavras, voltou-se para trás e viu Jesus em pé, mas não o reconheceu.


15. Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? Quem procuras? Supondo ela que fosse o jardineiro, respondeu: Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste e eu o irei buscar.


16. Disse-lhe Jesus: Maria! Voltando-se ela, exclamou em hebraico: Rabôni! (que quer dizer Mestre).

17. Disse-lhe Jesus: Não me retenhas, porque ainda não subi a meu Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.

Fonte: Bíblia Ave Maria, versão online.

sábado, 4 de abril de 2015

Sobre São José


São José: cuidador e educador do Salvador
By Adilson J. da Silva


 4 de abril de 2015, Sábado após a crucificação e morte de Nosso Salvador.


 "São José, assisti-me em minha agonia.

São José, aumentai a minha devoção à Virgem Maria".


Hoje reproduzimos aqui no blog trecho do interessantíssimo livro “São José, Esposo da Santíssima Virgem Maria”, do cardeal Alexis Marie Lépicier, O. S. M. O livro, creio eu, é uma das melhores teologia acerca da vida e obra do pai adotivo do Nosso Salvador. É maravilhoso saber da seriedade com que os católicos trabalham a vida das pessoas ligadas diretamente à encarnação, nascimento e vida de Nosso Senhor e Salvador, especial a Sagrada Família.


Leiamos:

A encarnação do Filho de Deus no mundo não é pensável sem a presença e a colaboração de São José – seja como guarda do Redentor, seja como esposo de Maria –, devido a sua ligação como evento da salvação da humanidade realizado pelo Verbo de Deus. Desta maneira, o plano da salvação encontra-se com São José, visto que Deus quis a sua colaboração como responsável pela proteção, educação, alimentação e a transmissão da descendência davídica ao seu Filho feio homem no mundo. Por isso, na vontade Deus, a missão de São José em relação ao Messias foi aquela de servir à economia da salvação e ao desígnio redentor que se realizou concretamente com a sua colaboração pessoal, e a de Maria sua esposa.

A verdade do desempenho da missão de São José no desígnio de Deus nem sempre é acolhida na mente dos teólogos ou absorvida na prática de piedade dos leigos; certamente, por causa da falta de um maior aprofundamento de sua pessoa. Daí torna-se necessário lançar mais luzes sobre este humilde e justo carpinteiro de Nazaré. Evidentemente, para a Igreja, o lugar que São José ocupa o plano da salvação é grandioso, e se não conhecermos a exata função que Deus lhe confiou, incorremos com facilidade num erro de perspectiva quanto à sua função a encarnação do Messias.
Por isso, não é suficiente que o coloquemos simplesmente ao lado de Maria no presépio, aliás, ali já estão os animais que têm apenas uma função decorativa e que em nada diminuiria o mistério da encarnação se não estivessem presentes. No entanto, em relação a São José, a sua função não é decorativa, secundária e sem nenhuma incidência na realidade do acontecimento do nascimento de Jesus, mas necessária.

Fonte: São José, Esposo da Santíssima Virgem Maria. Autor: Cardeal Alexis Marie Lépicier, O.S.M. Editora Ecclesiae.