quinta-feira, 28 de julho de 2016

Portugal, nossa maior herança



Um breve poema, uma eterna Nação!

Extraí o pequeno poema abaixo de um fantástico livro chamado As Caravelas de Cristo, do francês Gilbert Renault. Trata-se do poema do cantador do rei de Portugal, Dom João I, em honra à Santíssima Virgem com o qual elogiou Dona Felipa, por ocasião das terras a serem descobertas por Portugal, terras estas que foram chamadas de Reino de Santa Maria.



Que enigma havia em teu seio

Que só gênios concebia?

Que arcanjo teus sonhos veio

Velar, maternos, um dia?

Volve a nós teu rosto sério,

Princesa do Santo Gral,

Humano ventre do Império,

Madrinha de Portugal!


Sobre o O livro As Caravelas de Cristo é justo saber que se trata de um pequeno esboço da história de Portugal (308 páginas) e das grandezas e belezas desta grande nação desde as cruzadas até os grandes descobrimentos. A beleza e riqueza deste livro estão justamente nas narrativas históricas sobre os fatos da história dos portugueses no mundo e de como o Catolicismo foi decisivo nos passos que Portugal deu no mundo. Certamente a leitura desse livro fará brotar em nós a pergunta mais sensata e cativante que um leitor deve fazer após a leitura: “o que seria de nós sem Portugal?”

3 comentários:

FireHead disse...

E depois ainda há portugueses que distinguem Cristianismo de Portugal, dizendo até que Portugal já está "reformado" neste aspecto, conseguindo uma verdadeira proeza de separar aquilo que a própria História confirma que está intimamente ligado. Não há verdadeiramente Portugal sem Cristianismo, pois o primeiro procede do segundo e sem o Cristianismo Portugal diz adeus.

Adilson disse...

De fato! Tens razão. E esse teu comentário revela um problema que está aí diante de nossos olhos: o modelo de ensino adotado faz exatamente isso: separa o Cristianismo da história tanto de nação portuguesa, quanto do Ocidente. E isso, meu amigo, é a raiz de muitos males, inclusive o da apostasia, especialmente dentro da Igreja. Aqui no Brasil, os seminários católicos já nem dá pra ser chamado de Católicos.

FireHead disse...

É difícil acreditar e lutar quando vemos que há, conforme profetizado, lobos disfarçados de cordeiros entre o rebanho e que fazem o seu papel de desencaminhar... De facto, muitos são chamados, mas poucos são escolhidos (Mateus 22:14)!